Fernão Lopes

“Álvaro Pais, que estava prestes e armado com uma coifa na cabeça, segundo usança daquele tempo, cavalgou logo à pressa, em cima de um cavalo que anos havia que nom cavalgara, e todos seus aliados com ele, bradando a quaisquer que achava, dizendo:

– Acorramos ao Mestre, amigos! Acorramos ao Mestre, ca filho é de el-rei D. Pedro!” 

Crónicas de Fernão Lopes – selecção, introdução e notas por Maria Ema Tarracha Ferreira, 4ª edição, Biblioteca Ulisseia de Autores Portugueses, 2000

Crónica de D. João I

Ponto de Encontro: Largo Trindade Coelho (junto à Igreja de São Roque) 

Fim: Alfama

A revolução em Lisboa

Lisboa, 1383-1385: a “vila” capital do reino é o cerne da revolução que trará uma nova dinastia e a era da expansão territorial além-mar. A galope, de colina a colina, acompanhamos a frieza da trama que irá culminar no golpe violento desferido pelo Mestre de Avis. O cronista descreve-nos os acontecimentos de forma dinâmica e acutilante: nobres, religiosos, burgueses e a arraia-miúda enfrentam o cerco castelhano, a peste, a fome e aclamam D. João, Regedor e Defensor do reino.